quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Plantas podem ser o segredo para desvendar código do misterioso manuscrito de Voynich


Parece que os pesquisadores que apostavam que o manuscrito de Voynich não passava de uma farsa estão um pouco enfraquecidos nessa batalha.

Isso porque, pela primeira vez, as ilustrações de plantas contidas no livro misterioso estão sendo associadas a espécies nativas da América Central, o que sugere uma nova origem do texto. A aposta é que as inscrições estejam em um dialeto extinto da língua mexicana Nahuatl.

O documento tem intrigado pesquisadores desde que o livreiro Wilfrid Voynich o encontrou em um mosteiro italiano, em 1912. Além das palavras aparentemente indecifráveis, as 240 páginas ainda incluem desenhos de ninfas nuas, diagramas astrológicos e plantas que ninguém foi capaz de identificar.

Ao longo dos anos, uma guerra acadêmica tem se intensificado entre aqueles que pensam que o manuscrito contém uma linguagem real que poderia, eventualmente, ser decodificada, e aqueles que pensam que não passa de uma falsificação inteligente projetada para enganar colecionadores de livros.

“É uma batalha com os dois lados”, diz Alain Touwaide, historiador da botânica no Instituto Smithsonian, em Washington DC, à revista “New Scientist”.

Anteriormente, muitos pesquisadores assumiram que o manuscrito teria se originado na Europa, onde foi encontrado.

Porém, o botânico Arthur Tucker, da Delaware State University (EUA), notou semelhanças entre certas plantas do manuscrito e ilustrações de plantas em registros do México do século XVI.

O exemplo mais marcante foi uma ilustração de uma planta-de-sabão (xiuhamolli) em um livro mexicano de 1552.

Tucker e Rexford Talbert, um pesquisador aposentado de tecnologia da informação do Departamento de Defesa norte-americano e da NASA, ligaram um total de 37 das 303 plantas, seis animais e um mineral ilustrados no manuscrito Voynich a espécies que existiam no século XVI na região que fica entre os estados do Texas, Califórnia e da Nicarágua.

A dupla acredita que muitas das plantas poderiam ter vindo do que é agora o centro do México – e que o texto poderia estar escrito em uma forma extinta da língua Nahuatl mexicana. Decifrar os nomes dessas plantas poderia, portanto, ajudar a quebrar o código Voynich.

Até então, já haviam sido realizadas ao menos 25 pesquisas sobre o material, todas sem resultados conclusivos.

Em 2013, pesquisadores fizeram análises do ponto de vista estatístico e concluíram que as sentenças seguem a Lei de Zipf: a palavra mais comum em uma linguagem natural é duas vezes mais usada que a segunda e três vezes mais do que a terceira, e assim sucessivamente. Isso provaria que o arquivo traz uma linguagem estruturada.

Mesmo com tanta animação de um lado desta disputa, Gordon Rugg, da Universidade de Keele, no Reino Unido, permanece cético. Ele acha que um falsificador cuidadoso poderia ter criado plantas que parecessem plausíveis.

“Há grandes chances de você encontrar no mundo plantas que se pareçam com as do manuscrito Voynich apenas por acaso”, garante.

Já Touwaide afirma que os resultados são intrigantes, mas concorda que eles formam apenas uma das muitas hipóteses. “Acredito que isso não prova nada. Se for uma falsificação, alguém poderia muito bem ter tido a ideia de criá-la com base na flora do Novo Mundo”, pondera.

Tucker admite que há trabalho a ser feito antes que eles possam jogar fora a hipótese de fraude. Ainda assim, uma das plantas de Voynich o intriga. Ela parece muito semelhante à Viola bicolor, o amor-perfeito do campo, que só cresce na América do Norte.

A distinção entre esta planta e seu parente europeu, a Viola tricolor, não era conhecida até depois da descoberta do Voynich. Tirando uma viagem no tempo, provoca Tucker, como isso teria sido possível?

“Se é uma farsa, alguém fez um ótimo trabalho e teve a ajuda de um botânico competente que tinha conhecimento apenas disponível após 1912″, diz.

Fonte: Hypescience
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...