sábado, 30 de novembro de 2013

5 assustadores surtos de doenças

Estima-se que a população mundial chegará aos 11 mil milhões de pessoas até 2100, e uma das consequências desse aumento serão os novos desafios no controle de surtos de doenças, dizem os cientistas.

Mais pessoas podem significar mais doenças a espalhar-se ao redor do mundo. O aumento da população também é susceptível de aumentar a taxa crescente de novas doenças infecciosas causadas por vírus emergentes e bactérias resistentes aos medicamentos - uma tendência que já foi observada ao longo das últimas décadas.

Os cientistas estão de olho em novos vírus que podem causar a próxima pandemia e estão a tentar encontrar novas curas para patógenos que estado desde há muito presentes na história humana, mas que atualmente estão a desenvolver resistência aos medicamentos disponíveis.

Gripe

Desde a pandemia de gripe horrível que matou um número estimado entre 50 a 100 milhões de pessoas em 1918, até às pandemias de gripe suína de 2009 que levaram milhares de vidas, diferentes cepas de vírus da gripe têm causado alguns dos focos mais mortais do século passado.

Este grupo de patógenos é um dos mais vigiados de perto, devido à sua enorme ameaça de pandemia. Nas suas epidemias sazonais, o vírus infecta até 15% da população que atinge. Pensa-se que as epidemias anuais resultam entre 3 e 5 milhões de casos de doença grave e entre 250.000 e 500.000 mortes por ano em todo o mundo, afirma a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O vírus, em constante mudança, passou por vários grandes mutações no século passado e tem sido capaz de repetidamente ser transmitida aos seres humanos a partir de animais domésticos. Surtos significativos causados ​​pelo vírus incluem a gripe asiática em 1957, a gripe de Hong Kong em 1968, e a gripe suína em 2009.

SARS

SARS é a sigla para Síndrome Respiratória Aguda Grave e é causada pelo coronavírus SARS. O seu primeiro surto ocorreu no final de 2002, na China, sendo que em algumas semanas se espalhou para 37 países através de viagens aéreas. O vírus infectou 8.000 pessoas em todo o mundo, tendo morrido cerca de 800 dos infetados.

A maioria dos pacientes infectados pelo coronavírus SARS desenvolver pneumonia. O vírus espalha-se pelo contato próximo entre os indivíduos e pensa-se ser mais facilmente transmitido por gotículas produzidas quando uma pessoa infectada espirra ou tosse e as secreções são inaladas por outra pessoa.

A doença também pode difundir-se quando uma pessoa toca numa superfície ou objecto contaminado com gotículas infecciosas. SARS pode também ser transmitida através do ar num modo mais geral. Os cientistas rastrearam o vírus até aos morcegos. Pensa-se que o vírus encontrou o caminho para a população humana através de mercados de gado na China.

HIV/AIDS

Desde o seu surgimento na década de 1980, o HIV já infectou 60 milhões de pessoas e causou um número estimado de 30 milhões de mortes. Os cientistas acreditam que o HIV, que significa vírus da imunodeficiência humana, deu o salto dos chimpanzés para os humanos em algum momento em meados do século 20.

O vírus toma conta e eventualmente desabilita o sistema imunológico, resultando numa condição chamada SIDA (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida). Sem um sistema imunológico a funcionar adequadamente, as pessoas com AIDS ficam vulneráveis ​​a outras infeções, muitas vezes mortais.

O vírus espalha-se através do sangue, sémen e outros fluidos corporais. A maioria das pessoas atualmente adquire o vírus através de relações desprotegidas ou pela partilha de equipamentos de injeção de drogas com alguém que está infectado. Globalmente, havia cerca de 2,5 milhões de novos casos de HIV em 2011, sendo que cerca de 34,2 milhões de pessoas vivem com o HIV em todo o mundo.

Malária

Embora tenha provavelmente estado presente desde a antiguidade, a malária transmitida por mosquitos continua a representar um problema global. Não há vacina e em muitas partes do mundo o parasita desenvolve resistência a uma série de medicamentos contra a malária, afirma a OMS. Em 2010, um número estimado de 219 milhões de pessoas no mundo foram infectadas pela doença e 660 mil morreram.

A doença é comum em regiões tropicais, como África, Ásia e Américas, com cerca de 90% dos casos a ocorrer na região Africana. Plasmodium, o parasita que causa a malária, entra o sangue de uma pessoa através de uma picada de mosquito e viaja para o fígado, onde permanece silencioso e se reproduz durante dias.

Eventualmente, os parasitas escondidos no interior das membranas celulares do fígado, escapam desse órgão e invadem o sangue, infectando as células vermelhas do sangue, e interrompendo o fornecimento de sangue a outros órgãos.

Tuberculose

A descoberta da tuberculose (TB) já foi rastreada há até 17 mil anos atrás, mas ainda não está totalmente sob controle nos nossos dias. Causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, a tuberculose é o segundo maior assassino em todo o mundo devido a um único agente infeccioso (o primeiro é o HIV/AIDS).

Nas últimas duas décadas, a taxa de mortalidade da tuberculose caiu quase para metade. Em 2012, 8,6 milhões de pessoas ficaram doentes com tuberculose e 1,3 milhão morreram. Mais de 95% das mortes por tuberculose ocorre em países de renda baixa e média.

Embora a tuberculose seja curável, uma forma preocupante de tuberculose que é resistente à maioria dos tratamentos disponíveis e eficazes (TB multirresistente) está presente em quase todos os países, de acordo com a OMS. 


Fonte: Livescience
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...