domingo, 1 de dezembro de 2013

Declarado morto por cientistas, cometa Ison dá sinal de que pode ter 'ressuscitado'

O cometa Ison está se mostrando tão misterioso na volta do Sol quanto na ida. Depois de declará-lo morto, os cientistas voltaram atrás e agora dizem que pelo menos um pedaço dele sobreviveu.

A essa altura, já se pode descartar que ele vá produzir um espetáculo visual incrível para os observadores da Terra, como se esperava - o Ison estava sendo chamado de "cometa do século". Mas só o fato de ele seguir existindo já intriga os cientistas.

Poucas horas antes de atingir o periélio (aproximação máxima do Sol), às 16h25 de anteontem, o cometa --objeto cujo núcleo é composto de gelo e pedra-- começou a perder brilho rapidamente.

Esse comportamento é consistente com a fragmentação do núcleo. Se estivesse em um pedaço só, seu brilho deveria ter aumentado.

A tese foi reforçada quando o SDO (Solar Dynamics Observatory), satélite da Nasa, foi apontado para observar a passagem do Ison e não registrou nada pelo caminho.

Então foi surpreendente quando imagens do Soho (outro satélite solar, mantido em parceria entre a ESA, agência espacial europeia, e a Nasa) revelaram, na madrugada de ontem, que o Ison teria reemergido do outro lado do Sol.

De início, os cientistas interpretaram a imagem como uma trilha de poeira e gás deixada pelos restos do cometa, mas, quando o objeto foi aumentando de brilho, eles tiveram de ceder. À 0h49 de ontem, Karl Battams, coordenador da campanha de observação da Nasa, afirmou: "Acreditamos que parte do núcleo do Ison tenha sobrevivido ao periélio."

CONFUSÃO

Enquanto o Ison se prepara para sair do campo de visão do satélite Soho e se afastar do Sol, os cientistas terão tempo de analisar os dados e concluir o que houve.

Segundo Ignacio Ferrín, especialista em cometas da Universidade de Antioquia, na Colômbia, o núcleo do Ison teria de fato se desintegrado, antes mesmo da aproximação máxima do Sol.

Usando imagens de um dos satélites Stereo, que monitoram o Sol, ele calculou o período de rotação do cometa pouco antes de sua passagem a 1,2 milhão de km do Sol.

Ferrín concluiu que o cometa dava uma volta em torno de si mesmo a cada 2,38 horas. Segundo outros estudos, o limite de estabilidade da rotação de um objeto desse tipo seria de, no mínimo, 3,3 horas. "Portanto, o cometa excedeu o limite de estabilidade rotacional, e a razão da fragmentação foi 'quebra rotacional'", diz Ferrín.

Contudo, caso essa conclusão se mostre equivocada, não será a primeira do cientista colombiano sobre o Ison. Ele também previu que o cometa iria "murchar" bem antes de atingir o periélio, o que não aconteceu.

Os cientistas da Nasa agora estão cautelosos. Não dizem nem se o que restou do Ison terá longevidade, nem se será visível da Terra.

Observações telescópicas a partir do solo devem ser possíveis lá para o dia 5 de dezembro. Pelo menos até então, teremos de aguardar o desfecho dessa eletrizante aventura científica.


Fonte: Folha de São Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...