terça-feira, 16 de junho de 2015

Réptil que conviveu com os dinossauros descoberto por equipe de português


O réptil Clevosaurus sectumsemper viveu há 205 milhões de anos, no período Triásico Superior, e tinha apenas 11 centímetros de comprimento. Foi agora descoberto no âmbito de um projeto de investigação da Universidade de Bristol, liderado pelo português Pedro A. Viegas, curador e conservador de história natural.

O artigo que anuncia a descoberta foi publicado recentemente na revista de geociências Proceedings of the Geologists' Association e, entre os seus autores, consta Pedro Viegas, que liderou o Projeto Dinossauro de Bristol – uma iniciativa educativa e de divulgação científica da universidade daquela cidade inglesa, onde em 1834 foi encontrado o Thecodontosaurus, o quarto dinossauro a ser descoberto no mundo.

O fóssil estava incrustado numa fissura da pedreira de Woodleaze, na zona de Gloucester, no Sudoeste de Inglaterra, e foi recolhido pelos investigadores em 2012, que assim o puderam comparar com outro material recolhido na década de 1970. “Uma série de ossos estava por estudar nas caves da universidade”, conta ao PÚBLICO Pedro Viegas, agora a trabalhar na Austrália.

“Após expedições para descobrir novas jazidas, reencontrei pela primeira vez, desde os anos 1970, um novo local com ossos deste animal, mas aparentavam ter diferenças dos que já tinham sido descritos”, afirmou ainda Pedro Viegas.

Uma aluna da Universidade de Bristol, Catherine Klein, foi quem chamou a atenção para as distinções que o fóssil apresentava, sobretudo no tamanho e numa dentição peculiar. “A Catherine, uma das minhas alunas, trabalhou neste projeto e realmente era uma nova espécie de Clevosaurus”, diz Pedro Viegas.

O réptil viveu no que agora é a zona Sudoeste do Reino Unido. A região era então constituída por um conjunto de arquipélagos habitados por pequenos dinossauros e outros répteis, entre os quais o Clevosaurus sectumsemper, agora o mais pequeno réptil conhecido do seu gênero.

A nova espécie tem a particularidade, partilhada com outros répteis do gênero Clevosaurus, de possuir dentes moldáveis, que a cada mordida sofriam adaptações, tornando-se mais afiados. Esta característica valeu-lhe o nome sectumsemper (forma latina que se traduz por “cortando sempre”), inspirado na personagem da saga de Harry Potter, Severus Snape, que criou o famoso feitiço sectumsempra, em que uma espada invisível corta a sua vítima.

Esta descoberta amplia um pouco mais o conhecimento dos pequenos répteis contemporâneos dos dinossauros, que surgiram na Terra há cerca de 230 milhões de anos.

Fonte: Público
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...