domingo, 24 de agosto de 2014

Arqueólogos desenterram tesouros de antigo cemitério no Nilo







Um cemitério de 2.000 anos de idade, com vários túmulos subterrâneos, foi descoberto perto do rio Nilo, no Sudão.

Arqueólogos escavaram vários dos túmulos subterrâneos, encontrando artefatos, como um anel de prata gravado com uma imagem de um deus, e uma caixa de faiança, decorada com grandes olhos, que um pesquisador acredita proteger contra o mau-olhado.

Os moradores descobriram o cemitério acidentalmente em 2002 na escavação de uma vala perto da aldeia moderna de Dangeil, e escavações arqueológicas estão em andamento desde então. Os achados foram relatados recentemente em um novo livro.

O cemitério remonta a época em que um reino chamado Kush floresceu no Sudão. Com base na antiga cidade de Meroe (ao sul de Dangeil), Kush controlava um vasto território; sua fronteira ao norte se estendia ao Egito controlado pelos romanos. Às vezes, o reino era governado por uma rainha.
Embora os Kushites tenham construído centenas de pirâmides, este cemitério em particular não contém as estruturas na superfície; os túmulos são subterrâneos.

“Até agora, não sabemos exatamente o tamanho do cemitério”, disse Mahmoud Suliman Bashir, um arqueólogo da Corporação Nacional do Sudão para Antiguidades (NCAM), em uma entrevista para o Live Science.

A NCAM vem trabalhando com o Museu Britânico para escavar o cemitério e as duas organizações publicaram recentemente um livro on-line, chamado “As escavações no cemitério de Meroitic Dangeil, Sudão”, descrevendo as suas descobertas.

“A tradição funerária dos Kushites demonstra uma crença generalizada na vida após a morte. É por isso que tesouros e alimentos geralmente acompanhavam o cadáver”, disse Julie Anderson, do Museu Britânico, em seu livro. “Esses itens eram necessários para sustentar o indivíduo na vida após a morte.”

Tesouros para a vida após a morte

A equipe descobriu uma vasta gama de produtos feitos para ajudar o falecido na vida após a morte, incluindo vários grandes jarros que originalmente continham cerveja feita de sorgo.

Em um túmulo, eles encontraram um anel de prata com uma imagem de uma divindade com chifres. O anel foi conservado e limpo no Museu Britânico, e os pesquisadores acreditam que o anel representa o deus Amon, que, no reino de Kush, foi muitas vezes ilustrado com uma cabeça parecida com a de um carneiro. Um templo de Amon datando do mesmo período está localizado em Dangeil.

Oficiais antigos usavam anéis como este para criar impressões de selos em cerâmica, Bashir disse, acrescentando que os exemplos de prata são raros.

Os túmulos no cemitério renderam outros tesouros, incluindo uma caixa de faiança, decorada com o que os antigos Kushites e egípcios chamavam de olhos de “udjat””, disse Bashir, observando que os Kushites também fizeram uso deles. A crença era que esses olhos protegiam contra o mau olhado.

Nos cemitérios arqueólogos também encontraram uma “bandeja partida, que consiste em sete taças ligadas em conjunto; seis das bacias cercam outra tigela no meio. “É muito original, e não temos qualquer tipo de objeto semelhante encontrado em qualquer outro lugar”, disse Bashir. “Ela pode ser usado para a alimentação. Você pode colocar sete itens diferentes em um só lugar.”

Fonte: O Cientista
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...