domingo, 26 de julho de 2015

Asteroide incomum avistado em observatório de Porto Rico intriga cientistas


O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, anunciou na sexta-feira que captou as primeiras imagens detalhadas do asteroide 2011 UW158, que demonstrou ter uma morfologia muito particular e tem grande velocidade de rotação, algo que intrigou os cientistas.

As imagens foram obtidas pelos astrônomos deste observatório porto-riquenho - que conta com o maior e mais sensitivo radiotelescópio fixo do mundo - na terça-feira, 14 de julho, quando o asteroide passou a 6,9 milhões de quilômetros da Terra, o que equivale a nove vezes a distância de nosso planeta até a Lua.

"Muitos dos asteroides observados até o momento aparentam ser várias pedras pequenas fragilmente unidas pela gravidade", explicou hoje o Observatório de Arecibo em comunicado.

No entanto, o Asteroide 2011 UW158 "tem uma forma estranha, como a de uma noz sem casca, com um diâmetro de 300 por 600 metros, quase o dobro do tamanho da antena parabólica de nosso radiotelescópio", que tem 305 metros de diâmetro, acrescentou o Observatório.

Além disso, os cientistas puderam confirmar que o asteroide gira rapidamente sobre si mesmo, com uma rotação completa a cada 37 minutos, o que confirmou observações ópticas anteriores.

"Enquanto muitos estavam observando a passagem histórica da nave New Horizons pelo planeta anão Plutão, nós observávamos este objeto, menor e mais próximo, que passava pela Terra", explicou hoje o Observatório.

"Seu tamanho, forma e rotação sugere que existe algo mais que a gravidade mantendo este objeto unido, se não o asteroide já teria se partido, devido a sua rotação tão rápida", comentou Patrick Taylor, cientista do Departamento de Estudos Planetários e líder destas observações.

Uma das possibilidades é que o asteroide seja formado por um único corpo sólido, em lugar de muitas rochas pequenas unidas pela gravidade, algo que intrigou os cientistas, já que, até o momento, apenas outros dois asteroides deste tamanho e com esta rotação foram observados.

"Era esperado que algo tão grande tivesse sido transformado em pequenos pedaços pelas colisões com outros asteroides ao longo do tempo no Sistema Solar. É interessante que algo tão grande e aparentemente sólido ainda exista", apontou Taylor.

O especialista acrescentou que este asteroide voltará a passar relativamente perto da Terra no ano de 2108, sem apresentar qualquer perigo.

"Estas observações fornecem pistas para saber quantos asteroides se formam e mudam com o passar o tempo", acrescentou Edgard Rivera Valentín, integrante do Departamento de Estudos Planetários e desta equipe de observações.

Fonte: UOL
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...