quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Antigos gregos teriam descoberto a América, segundo pesquisador


O ano de 1492 é uma das datas mais famosas da história, pois marca o descobrimento da América pelos Europeus. No entanto, essa “nova terra” pode já ter sido descoberta pelos antigos gregos, de acordo com um livro escrito por um físico e filólogo italiano, Lucio Russo.

O título traduzido para o livro de Russo seria “América Perdida: a relação entre as civilizações e um erro cometido por Ptolomeu”. Porém, o autor disse ao Epoch Times que o título da versão em inglês, que ainda não está pronto, provavelmente será “When the World Shrunk” (“Quando o mundo encolheu”).

Algumas pistas

Entre os muitos indícios de contato entre os antigos europeus e os americanos nativos, estão os antigos textos pré-colombianos que sobreviveram à devastação espanhola.

Em um livro sobre a origem do povo Maia de Quiché, há muitos pontos interessantes. De acordo com o texto, os pais desta civilização eram “pessoas negras, pessoas brancas, pessoas de muitas faces, pessoas de muitas línguas”, e eles vieram do leste, “E não está claro como eles atravessaram o mar. Eles atravessaram como se não tivesse mar”, diz o texto.

No entanto, mais tarde, pesquisadores decidiram traduzir a palavra Maia, frequentemente usada para se referir ao “mar”, como “lago”.

Há também muitas representações e textos maias sobre homem com barba. No entanto, os nativos americanos não tinha barba.

Além disso, algumas obras de arte dos antigos romanos mostram um abacaxi, uma fruta que se originou na América do Sul.

Formas de pensar

Russo, que atualmente leciona probabilidade na Universidade Tor Vergata, em Roma, diz que a principal razão que faz os pesquisadores acharem que a América não era conhecida pelos antigos gregos, não é devido à falta de provas, mas a um dogma científico.

Por anos, a teoria de que a civilização evolui de acordo com etapas fixas tem sido dominante. Por exemplo, uma civilização descobre o fogo, então inventa a roda, escrita e assim por diante, até chegar na tecnologia moderna e democracia. Todas as civilizações devem passar por estas fases, e elas podem ser classificadas de acordo com seu grau de evolução.

No entanto, Russo apresenta um cenário diferente: invenções como escrever e reproduzir não se desenvolveram independentemente em todas as diferentes civilizações, mas foram filtradas de uma civilização para outra.

Também não é verdade que a ciência tem se tornado cada vez melhor com o tempo. Existem, de fato, muitos exemplos de decadência científica e cultural, como a destruição de Cartago e a queda da civilização grega, a partir da qual os romanos herdaram apenas parte de seu conhecimento científico. É importante ressaltar que uma das habilidades que eles não herdaram, era como navegar nos oceanos.

Você pode ter uma ideia disso considerando que “o tamanho dos navios no período Helenístico foi superado apenas na época de Napoleão” e que Colombo baseou sua viagem em uma recuperação parcial da matemática Helenística, de acordo com o livro. Os gregos eram, entre outras coisas, a única civilização da época que foi capaz de compreender que a Terra era redonda, um entendimento que foi perdido depois.

Ainda hoje estamos em uma era de “crise científica”, disse Russo ao Epoch Times. Porém, é uma crise diferente daquela do tempo Romano. A decadência moderna se esconde, usando o avanço tecnológico como uma máscara, e consiste na diminuição da disponibilidade de conhecimento, que agora é propriedade de poucas pessoas.

O erro de Ptolomeu

Então, como é que as pessoas esqueceram a América, se é verdade que ela já havia sido conhecida pelos antigos? O erro, de acordo com o autor, deve-se principalmente a Ptolomeu, que desenvolveu um mapa do mundo com a mistura de alegações feitas por varias fontes antigas.

O problema principal é a identificação das Ilhas Afortunadas, que os gregos antigos, se referiam como Ilhas Canárias (Perto da costa oeste da África). Porém, de acordo com Russo, eles estavam se referindo a Antilhas. O mal entendido ocorreu porque os romanos e os descendentes gregos não sabiam navegar nos oceanos.

Com raciocínio matemático e filológico, Russo leva o leitor a entender o significado de todos os erros de Ptolomeu, que são geralmente considerados muito grandes, mostrando como o conhecimento dos antigos gregos sobre o planeta era muito preciso. Ptolomeu errou a latitude das Ilhas Canárias por 15 graus de latitude, fazendo-as aparecer no mapa onde seria as Antilhas. É claro que a América não estava em seu mapa.

Reações

De acordo com Russo, o livro provocou dois tipos de reações. Cientistas e filólogos mostraram entusiasmo, enquanto que as reações negativas vieram de historiadores e geógrafos, os quais ele diz que eram muitas vezes incapazes de compreender alguns aspectos lógicos de suas obras.

Russo pensa que nós temos “muito a aprender” dos antigos Gregos. Por exemplo, deveríamos “tentar limitar a especialização excessiva”, porque as coisas mais interessantes só podem ser entendidas por aqueles que compreendem mais de um aspecto do conhecimento humano.

Fonte: Epoch Times
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...