sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Berçário de tubarão pré-histórico é encontrado em usina nuclear do Illinois


O mais antigo berçário de tubarões, contendo fósseis de ovos e filhotes, foi descoberto no terreno da usina nuclear de Braidwood, no nordeste do Illinois.

Segundo artigo publicado no Journal of Vertebrate Paleontology, o berçário tem cerca de 310 milhões de anos e abrigava uma espécie de tubarão de focinho longo chamada bandringa, um dos primeiros ancestrais dos tubarões modernos.

“Pelo menos uma dúzia de fósseis de filhotes, talvez mais, foram desenterrados no local”, conta Lauren Sallan, paleontóloga da Universidade, que escreveu o artigo com Michael Coates. O estado de preservação de alguns fósseis é impressionante.

“Encontramos até tecidos moles nos filhotes”, revela Sallan. Segundo a pesquisadora, os tecidos contêm pigmentos que, no futuro, podem revelar a coloração exata dos tubarões. No entanto, é provável que não haja vestígios de DNA.

Além dos filhotes, os paleontólogos estudaram os fósseis de mais doze bandringas adultos. Anteriormente, esse tubarão havia sido classificado em duas subespécies, mas os pesquisadores concluíram que todos os fósseis pertencem a uma única espécie.

Com a descoberta, os cientistas agora têm uma noção mais abrangente da anatomia e das características do tubarão extinto.

“O bandringa tinha a cabeça totalmente coberta por grandes espinhos, um focinho comprido com eletroreceptores, parecido com um remo, e mandíbulas capazes de se projetar para sugar o alimento”, explica Sallan.

Parecido com o peixe-espada e o peixe-espátula dos dias de hoje, o bandringa tinha um focinho enorme, que correspondia à metade de seu comprimento. Seus eletrorreceptores ajudavam os tubarões a localizar as presas, que consistiam em pequenos crustáceos e outros animais marinhos.

Os filhotes tinham entre 10 e 15 centímetros, e os adultos podiam chegar a 3 metros de comprimento. O estômago de alguns filhotes ainda continha pequenos crustáceos, indicando que os animais morreram subitamente, antes de a refeição ser digerida. A causa da morte ainda é um mistério.

Com base na localização dos fósseis, os pesquisadores concluíram que os adultos migraram dos pântanos de água doce da Pensilvânia e de Ohio para o litoral atlântico para acasalar. Essa linha costeira pré-histórica hoje abriga a central nuclear.

Segundo Sallan e Coates, essa seria a mais antiga rota migratória do grande predador dos mares, e é o único exemplo de migração de tubarões da água doce para a salgada.

“Também é a evidência mais antiga de segregação, já que adultos e filhotes viviam em lugares diferentes, o que explica a migração para o berçário”, detalha Sallan.

Segundo a pesquisadora, os tubarões recorriam aos berçários porque se localizavam em pontos isolados, o que protegia os filhotes de tubarões maiores e outros potenciais predadores.

Como o período de gestação dos tubarões pode ser bem longo – até dois anos -, esse tipo de precaução era ainda mais importante.

“O artigo fornece teorias interessantes sobre o comportamento de reprodução, com base na interpretação literal da distribuição dos fósseis: adultos em um lugar, filhotes e ovos em outro”, explica John Maisey, paleontólogo do Museu Americano de História Natural.

No entanto, Maisey reconhece que inferir o comportamento de uma espécie tão antiga com base em evidências sólidas é um desafio instigante. “O comportamento não se fossiliza com facilidade”.

Por Jennifer Viegas

Fonte: Animal Planet
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...