sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A mulher que passou 61 anos imobilizada em um pulmão de ferro

Martha Mason foi um ser humano extraordinário que passou mais de 60 anos de sua vida imobilizada em um pulmão de ferro depois de ficar paralisada em sua infância, como resultado da poliomielite. Apesar de sua situação aparentemente desesperada, Martha viveu uma vida plena, se formou no ensino médio e superior, com as mais altas honras, também escreveu um livro chamado “Respiração: A vida no ritmo de um pulmão de ferro”, no qual ela retratou os desafios e as alegrias de sua vida

Martha nasceu em 31 de maio de 1937, em Lattimore, uma pequena cidade a cerca de 50 milhas de Charlotte. Sua trágica história teve início quando ela tinha apenas 11 anos de idade, após a morte de seu irmão Gaston, que sofria de uma terrível doença que o deixou paralisado antes de finalmente matá-lo. Depois de seu enterro, o jovem Martha percebeu que ela também havia contraído a perigosa doença viral, mas manteve para si mesma para não angustiar ainda mais seus pais. “Eu sabia que eu tinha poliomielite. Eu não queria que ninguém soubesse”, ela escreveu em seu livro. “Um dia eu tinha ouvido mamãe conversando com um amigo sobre o pulmão de ferro para meu irmão Gaston… Eu sabia que não teria esse problema porque eu sempre tive excelentes pulmões”. Mas logo ela também se encontrava imobilizada no pulmão de ferro, dependente dele para fazer a respiração para ela. “Pulmão de ferro” é apenas um termo coloquial utilizado para descrever um ventilador de pressão, um tipo de dispositivo médico que ajuda pessoas paralisadas respirar pela diminuição e aumento da pressão do ar no interior de um tanque grande de ferro. Os médicos disseram os pais de Martha para levá-la para casa e fazê-la feliz por um ano, que foi o tempo que lhe restava de vida. Ela sobreviveu graças a uma ávida curiosidade e vontade de aprender sobre o mundo.

Mas o pulmão de ferro não impediu Martha de aproveitar a vida e aprender o máximo que podia. Com a ajuda de sua mãe e seus colegas de escola, ela conseguiu terminar o ensino médio. Ela não parou, continuou os estudos na universidade até atingir bacharel em Inglês. Ela trabalhou em casa como escritora para o jornal local, trabalho que ela fazia ditando as palavras para sua mãe. Isso continuou até que sua mãe ficou muito ocupada ajudando seu pai que se tornou inválido devido um ataque cardíaco. Anos mais tarde, em 1977, ele faleceu. Foi apenas décadas mais tarde, em meados dos anos 90, que a Mason foi capaz de escrever de novo com a utilização de um computador por voz ligado à Internet. Ela logo começou a trabalhar em seu livro, um livro de memórias dedicado à sua amorosa mãe.
 
Embora, obviamente, limitada pelo seu pulmão de ferro, Mason viveu uma vida plena entre as pessoas que a amavam. Eles mantiveram jantares e encontros do clube do livro em sua casa e fizeram parte de suas formaturas, casamentos e viagens ao redor do mundo. Em 2009, Mason faleceu aos 71 anos, depois de ter passado 60 anos com seu frio companheiro de vida, mais do que qualquer pessoa jamais viveu em um pulmão de ferro. “Estou feliz com quem eu sou, de onde eu sou”, a Sra. Mason disse o Charlotte Observer , em 2003.

Apesar de outros meios mais modernos de ventilação forem apresentados a ela ao longo dos anos, ela sentia que o pulmão de ferro dava-lhe mais liberdade.


Fonte: Washington Post
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...