segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Gladiadores romanos bebiam um cocktail de cinzas para fortalecer os ossos



Análise às ossadas de gladiadores do século II e III d.C., mortos na cidade romana de Éfeso, revelou que a dieta geral destes lutadores não era diferente do resto da população: muitos vegetais e poucas proteínas de animais.

A antiga cidade de Éfeso é conhecida por ter tido uma das sete maravilhas da antiguidade, o Templo de Ártemis, que foi destruído. Mas no local arqueológico daquela cidade, na costa ocidental da Turquia, junto ao mar Mediterrânico, ainda se pode visitar numa encosta aquilo que foi um imponente teatro para 25.000 pessoas, onde se assistia a duelos de gladiadores.

Um cemitério de gladiadores, com dezenas de ossadas e algumas campas, foi descoberto na cidade em 1993. Ainda hoje, este manancial único de informação continua a revelar como era o quotidiano dos lutadores que entretinham a população de Éfeso, em duelos muitas vezes mortais, durante o século II e III d.C.

Na última edição da revista PLOS One, um artigo científico conclui que a dieta destes homens era maioritariamente à base de vegetais e com a ingestão de poucas proteínas de origem animal. De uma forma geral, a sua dieta era semelhante à dos outros cidadãos de Éfeso, mas havia uma diferença curiosa.

Os ossos dos gladiadores apresentam níveis mais altos do elemento químico estrôncio do que o resto dos habitantes da cidade. Para os autores desta investigação, esta característica poderá dever-se a um cocktail de cinzas de plantas que os lutadores tomavam depois das lutas.

“As cinzas são mencionadas por Plínio, o Velho [naturalista romano], na obra História Natural, como um remédio depois dos exercícios de luta [dos gladiadores]”, explica ao PÚBLICO Fabian Kanz, do Departamento de Medicina Forense da Universidade de Viena, na Áustria, um dos autores do artigo, e que estudou entre 2000 e 2010 as ossadas encontradas em Éfeso. “A função desta solução deveria ser semelhante à do cálcio efervescente e à das barras de manganês que se encontram hoje nas farmácias.”

Os gladiadores eram escravos, criminosos ou prisioneiros obrigados a combater em duelos públicos financiados pela classe alta romana para entreter o povo. Durante séculos, estes homens eram alimentados e exercitados em escolas de gladiadores para lutarem em público uns contra outros ou contra animais selvagens. A morte era frequente.

O imaginário desta realidade desumana é retratado em filmes como Gladiador ou na história várias vezes narrada de Spartacus, um escravo trácio que se rebelou contra os romanos e formou o seu próprio exército.

“Há milhares de artefatos e imagens dos gladiadores, o que dá a entender que estes jogos eram cruciais para os romanos. Mas o cemitério é uma das pouquíssimas possibilidades de estudar os próprios gladiadores”, sublinha Fabian Kanz.

O investigador já tinha analisado as fraturas nos ossos dos esqueletos daqueles gladiadores — eram homens entre os 20 e os 30 anos. Os cortes que encontrou nos ossos revelaram que, apesar de usarem equipamento de proteção, os gladiadores sofriam golpes mortais. Mas encontrou também fraturas que foram tratadas e amputações, indicando que eram alvo de cuidados médicos.

A alimentação é outro aspecto daquele quotidiano. “Os textos antigos mencionam uma dieta especial para os gladiadores, por isso a questão era se essa dieta deixou vestígios [específicos] nos seus ossos”, adianta ainda o cientista.

Agora, através de uma análise dos ossos de 20 gladiadores, bem como de 20 homens, mulheres e crianças não gladiadores, que viveram em Éfeso na mesma altura, a equipe de investigadores pôde obter informações novas sobre a sua dieta.

Nos 40 esqueletos, os investigadores identificaram a proporção existente entre o cálcio e o estrôncio, por um lado, e por outro a proporção de isótopos (variantes de cada elemento) de carbono, azoto e enxofre. Depois, fizeram uma comparação entre a população de gladiadores e a população normal.

Uma das conclusões importantes do estudo agora publicado foi precisamente a análise do rácio dos isótopos de azoto, uma vez que uma das formas deste elemento químico indica a existência de proteínas de animais na dieta.

“Não encontramos nos ossos dos gladiadores diferenças significativas de [uma das formas de] azoto em relação aos ossos da população normal de Éfeso”, explica-nos, por seu lado, Sandra Lösch, outra autora do artigo, da Universidade de Berna, na Suíça.

A alimentação da maior parte da população seria constituída maioritariamente por cereais e outros vegetais. Os gladiadores tinham até a alcunha difamatória de “comedores de cevada”. “Claro que eles comeriam peixe e carne, mas pensamos que não seria o componente principal da sua dieta”, defende Fabian Kanz. “Nas classes mais altas, o consumo de carnes caras terá sido maior.”

Quanto às cinzas, que poderá explicar a quantidade mais elevada de estrôncio nos ossos dos gladiadores em relação às outras pessoas, elas poderão ter sido oriundas da queima da madeira de “cedros, pinheiros e carvalhos”, refere o artigo.

Fabian Kanz deixa-nos uma possível receita para esse cocktail: “Pensamos que a cinza poderia ser dissolvida numa mistura de vinagre e água — uma bebida romana normal — e talvez fosse adicionado mel para adoçar.”

Fonte: Público
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...