sexta-feira, 18 de abril de 2014

Conheça o rio Citarum, na Indonésia, considerado o rio mais poluído e tóxico do mundo


A 40 km a leste de Jacarta, Indonésia, há um rio com mais de 300 quilômetros de extensão.

Por milhares de anos, o rio Citarum foi um recurso importante para o povo indonésio. Hoje, ele continua sustentando a pesca, agricultura, geração de energia elétrica e saneamento básico para quase 30 milhões de habitantes.

Quando a Indonésia vivenciou uma explosão de desenvolvimento, pouca atenção foi dada para os principais componentes da infra-estrutura. O tratamento adequado para a eliminação de resíduos foi amplamente negligenciado. Como resultado, os fabricantes e os moradores abusaram do rio, deixando o Citarum como um dos cursos de água mais poluídos do mundo.


O rio Citarum tem uma relação com a humanidade que data do século IV d.C, quando o reino Tarumanagara se desenvolveu em suas margens. Os primeiros moradores contaram com a água para tudo, desde o banho à eliminação de resíduos. Durante séculos, as populações menores e a falta de indústria pesada influenciou para a falta de ameaça ecológica do rio.

A partir do século 20, o rio tornou-se um perigo significativo para a saúde. A alta no preço do combustível na década de 1970 obrigou as empresas a cortarem gastos. Identificar um trabalho mais barato foi a solução para as empresas melhorarem suas demonstrações de lucros. Uma opção era Java, uma das ilhas mais populosas do mundo, e uma região desesperadamente assolada pela pobreza. O recurso mais abundante da ilha era a mão de obra, o que era excesso de oferta e reduzia os custos. Isso atraiu a indústria para a Indonésia.


A geografia da ilha fez com que o rio Citarum se tornasse uma escolha fácil para as empresas com considerações de exportação. Infelizmente, ele também era um veículo conveniente para a eliminação de resíduos e o súbito enriquecimento da região fez com que não se ressaltasse essa preservação das águas do rio.

O crescimento descontrolado da indústria tem abusado cada vez mais do rio Citarum. A qualidade da água se deteriora significativamente no exterior das fábricas, onde tubos de evacuação expelem uma mistura tóxica criando uma imagem assustadora e revoltante do rio.


Em outros lugares, massas de lixo flutuantes criam uma camada grossa de lixo sobre a superfície. Dejetos humanos se acumulam em piscinas insalubres ao longo da costa, disseminando doenças. Em alguns casos, os resíduos escondem completamente a água do rio. Se não fosse um barco navegando por meio do lixo, seria difícil encontrar a água embaixo.

O povo indonésio são geralmente conscientes do perigo da água, mas muitos não têm a educação formal para entender as consequências a longo prazo. Aqueles que estão conscientes e dispostos a tomarem medidas corretivas não têm recursos para fazê-lo.

Ironicamente, os resíduos do rio também fornecem benefício para a comunidade: empresas de reciclagem percorrem o rio recolhendo o plástico e transformando em outros meios de rentabilidade.

No entanto, o impacto econômico negativo é muito maior. Fazendas ao longo do rio não têm escolha a não ser usar os fluxos contaminados como fonte de água para as culturas. Os grãos de arroz não crescem como deveriam no tempo da colheita e ainda possui uma desvalorização da agricultura dessa área por conta do rio.


Para isso, em 2008, o Banco Asiático de Desenvolvimento entrou em ação. O grupo anunciou um empréstimo de R$ 130 milhões para serem distribuídos ao longo dos próximos 15 anos com o intuito de limpar o rio. Além de limpar o Citarum, os fundos ajudariam a reeducar as comunidades locais sobre o cuidado adequado para a fonte de água preciosa. O banco espera inverter a tendência negativa ambiental, abordando tudo de poluição e saneamento para a população.

Graças aos esforços do banco e a cooperação do governo local, o estado do rio Citarum melhorou. O progresso tem sido lento, mas constante; há uma melhora visível, mas ainda há muito trabalho a ser feito. Os detritos já não persistem em grandes áreas, mas as fábricas ao longo das margens ainda expelem resíduos tóxicos. O rio continua a servir como um repositório de excrementos humanos para as áreas de Java onde faltam sistemas de esgotos modernos. Enquanto o objetivo não for alcançado, passos positivos recentes dão a esperança de uma solução no futuro.

Fonte: Jornal Ciência
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...