domingo, 12 de outubro de 2014

Sete pessoas são queimadas vivas por acusação de bruxaria na Tanzânia


Uma multidão queimou vivas sete pessoas e incendiou cerca de 20 casas no oeste da Tanzânia por acusação de bruxaria, anunciou nesta sexta-feira a polícia local.

O chefe da polícia para a região de Kigoma, Jafari Mohamed, informou que de 23 detidos, entre os quais figuram chefes locais e um curandeiro, compareceram ante a justiça acusados de cometer assassinato.

Mas antes que a justiça pudesse agir, os acusados foram linchados na noite de segunda-feira linchamento aconteceu na noite de segunda-feira em um povoado de Murufiti, oeste de Dar es Salam, a capital econômica da Tanzânia.

"As vítimas foram atacadas e queimadas vivas por uma multidão de habitantes que os acusavam de praticar bruxaria", contou à AFP Jafari Mohamed, acrescentando que cinco dos executados tinham mais de 60 anos.

"Encontrei o corpo de minha mãe queimado, do lado de fora de nossa casa, e o do meu pai, também queimado, dentro de casa", contou um dos moradores ao jornal Mwananchi.

Em 2012, uma ONG tanzaniana, o Centro Jurídico e dos Direitos Humanos (LHRC) afirmou que 3.000 pessoas acusadas de bruxaria, principalmente idosas, foram linchadas entre 2005 e 2011 no país.

"Uma média de 500 pessoas da terceira idade, em particular idosas e com olhos avermelhados, perdem a vida todos os anos na Tanzânia, acusadas de bruxaria", afirmou a LHRC em um informe.

Segundo a ONG, as crenças populares afirmam que ter olhos avermelhados é um sinal de bruxaria, quando, na realidade, geralmente se trata de alguma irritação ocular.

As mesmas crenças atribuem à bruxaria as desventuras e desastres que algumas pessoas ou a comunidade em seu conjunto sofrem.

Outras vítimas deste tipo de crença, muito disseminada nas regiões fronteiriças entre a Tanzânia e Burundi, são os albinos.

Fonte: UOL
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...